sábado, 29 de julho de 2017

DA DIALÉTICA DO RACISMO


Autor: Porto de Carvalho
Escrito em 23/7/2017

Outro dia fui a um dos suls (existem vários, não necessariamente no sul) e fiquei indignado com tanto racismo. O artista pega na bola — bichão! — e ficam-no chamando de outro bicho, meu parente mais bonito, como se fosse ofensa. Que absurdo! Detestei aquele povo. Mas aí pensei: ao não gostar daquele povo, estou sendo racista com o povo racista com os outros. Não posso! Não são todos assim. Povo é povo, mas pessoas são pessoas. As pessoas vêm antes do povo. 

Por aqui mesmo, no centro, e no norte, no sul, no leste e no oeste, encontrei um povo com o tom de pele tão saudável, tão bonito, mas infelizmente se odiavam. Que absurdo! Detestei esse povo. Mas aí pensei: ao não gostar desse povo, estou sendo racista com o povo racista com ele mesmo. Não posso! Não são todos assim. Povo é povo, mas pessoas são pessoas. As pessoas vêm antes do povo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário